Boletim Eletrônico



Declaração Secretaria de Mulheres da LIT-QI PDF Imprimir E-mail
DECLARAÇÃO LIT-QI
Ter, 07 de Fevereiro de 2012 16:31

Massacre no Pinheirinho: partido de direita tradicional deixa centenas de mulheres, homens e crianças em condições desumanas. Dilma: desaproprie o terreno e o entregue às famílias do Pinheirinho. Num país governado por uma mulher isso não pode continuar.

A Secretaria de Mulheres da LIT (Liga Internacional dos Trabalhadores – Quarta Internacional) expressa aqui todo o seu repúdio em relação à desocupação do Pinheirinho, em São José dos Campos (São Paulo) e a truculência com que a polícia vem agindo contra as 6.000 pessoas que vivem na área, todos eles trabalhadores e trabalhadoras, com crianças e idosos.

Geraldo Alkmin, governador de São Paulo e Eduardo Cury prefeito de São José dos Campos demostraram neste episódio o descaso completo do PSDB com o povo pobre. Querem criminalizar a pobreza e a luta dos em teto. Nos indigna, sobretudo o fato de que figura entre os principais agentes desse verdadeiro golpe contra a classe trabalhadora e o povo pobre uma mulher: a juíza Márcia Loureiro. Essa juíza foi a responsável por assinar a ordem de reintegração de posse do terreno e a expulsão dos moradores. Totalmente insensível ao que certamente ocorreria àquelas famílias, com crianças pequenas, muitas delas ainda de colo, jogadas na rua, sem qualquer abrigo, a juíza não hesitou em cumprir a ordem de despejo.

Essa mulher não tremeu as mãos no momento de assinar uma ordem tão odiosa, mesmo sabendo que ela poderia significar um alto grau de sofrimento para tantas pessoas, inclusive a morte de adultos e crianças, cujo único “crime” foi construir um barraco em um terreno abandonado para ter um teto sobre sua cabeça, que é o primeiro item da Declaração Universal dos Direitos Humanos, que o governo e a Justiça brasileira assinaram e dizem defender de pés juntos.

A presidente Dilma Rousseff acaba de declarar durante o Fórum Social Mundial em Porto Alegre que o que ocorreu no Pinheirinho foi uma barbárie. Em seguida disse que não pode fazer nada, mas o governo Federal tem todas as condições de resolver com uma medida o caso em questão. A desapropriação do terreno é uma obrigação política de um governo que foi eleito com os votos do povo pobre deste país.

Num país governado por uma mulher, não podemos admitir que mulheres grávidas, mães com crianças de colo, mulheres idosas sejam expulsas de suas casas, vivam nas ruas, sem abrigo e sem alimento, como vem ocorrendo no Pinheirinho.

As promessas de acabar com a pobreza e a miséria tem que se transformar em ação neste momento, Dilma pode fazer muito mais do que fez até agora, como dirigente máxima da nação ela pode e deve resolver essa questão.

Registramos aqui o nosso mais veemente repúdio ao Governo do PSDB e a Juiz Márcia Loureiro. Foi a maior demonstração de que a irmandade das mulheres não existe. A única irmandade que realmente existe é a irmandade de classe, que une mulheres e homens na luta contra os opressores e exploradores; a única irmandade na qual, diante do massacre, podemos confiar para ajudar as famílias que hoje estão lançadas à sua própria sorte. A classe trabalhadora, nacional e internacional, com suas valorosas mulheres à frente, tem de tomar essa tarefa em suas mãos!

Viva as mulheres do Pinheirinho! Viva a unidade entre homens e mulheres da classe trabalhadora e do povo pobre!

Moradias dignas para todos, imediatamente!

Secretaria de Mulheres da LIT-QI.


rssfeed
Email Drucken Favoriten Twitter Facebook Myspace Stumbleupon Digg MR. Wong Technorati aol blogger google reddit YahooWebSzenario